sexta-feira, 29 de junho de 2012

JOSÉ AMÉRICO DE ALMEIDA - HERRIOT 3º ANO I


Colégio QI 
João Pessoa, 06 de Junho de 2012 
Alunas: Flávia Monteiro, Manoela Carolina, Rafaela Resende, Rayanne Azevêdo e Rebeca Barros 
Série: 3° Ano Médio – I 
Professor: Herriot 
Disciplina: Literatura 


José Américo de Almeida 


O paraibano José Américo de Almeida nasceu no Engenho Olho d`Água, município de Areia, a 10 de janeiro de 1887. Filho de Inácio Augusto de Almeida e de Josefa Leopoldina Leal de Almeida iniciou seus estudos no engenho onde nasceu, com a professora Júlia Verônica dos Santos Leal. 
Após a morte de seu pai, aos nove anos, foi entregue aos cuidados do tio padre, Odilon Benvindo, que tentou iniciá-lo na carreira eclesiástica, internando-o no Seminário de João Pessoa. Sem vocação, no entanto, deixou o Seminário e ingressou no Liceu Paraibano e depois, em 1903, ingressou na Faculdade de Direito do Recife, bacharelando-se em 1908. 
Após a formatura, retornou à Paraíba e foi nomeado para o cargo de promotor público na comarca de Sousa. Ocupou importantes cargos públicos nas esferas estadual e nacional. Foi procurador geral, consultor jurídico, secretário estadual das pastas do Interior e Justiça e Segurança Pública, ministro da Viação e Obras Públicas, ministro do Tribunal de Contas da União - TCU e embaixador do Brasil junto à Santa Sé. Exerceu ainda mandatos de deputado federal, governador da Paraíba e senador. 
Em 1937, foi lançado como candidato à Presidência da República, porém, em novembro deste mesmo ano, Getúlio Vargas fechou o Congresso Nacional e cancelou as eleições presidenciais, dando início ao Estado Novo (1937-1945). 
Em fevereiro de 1945, com uma entrevista ao matutino carioca "Correio da Manhã", José Américo contribuiu decisivamente para pôr fim à ditadura implantada por Getúlio Vargas, em 10 de novembro de 1937. 
Afastado dos cargos públicos, dedicou-se à produção dos livros de memórias, onde colocou, para posteridade, a visão de um homem de ação e de grande sensibilidade. E, em plena maturidade revelou-se poeta. 
Destacou-se na Literatura Brasileira como autor do livro A bagaceira (1928), obra-prima do romance regionalista moderno, hoje com trinta e duas edições em língua portuguesa, edição crítica e versões em espanhol, francês, inglês e esperanto. Sua obra, com dezessete títulos, abriga ainda oratória, ensaios e crônicas. 
Em 1967, foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras, na Cadeira 38, cujo patrono é Tobias Barreto, sucedendo ao professor Maurício Medeiros. 
Em 1976, foi homenageado pela União Brasileira de Escritores, com título de O Intelectual do Ano, recebendo o troféu Juca Pato. 
Após sua morte, em 10 de março de 1980, a casa, onde passara os últimos vinte e dois anos de sua existência, foi transformada em Fundação, para dar continuidade ao seu trabalho e à divulgação do seu nome nos diversos quadrantes do país como intelectual, participante das Academias Paraibana e Brasileira de Letras e pelas grandes iniciativas, entre elas a criação da Universidade da Paraíba, em 1956, que depois passaria a ser UFPB, após sua federalização. 
 
Obras literárias 
  • Reflexões de uma cabra, 1922 
  • A Paraíba e seus problemas, 1923 
  • O boqueirão, 1935 
  • Coiteiros, 1935 
  • Ocasos de sangue, 1954 
  • Discursos de seu tempo, 1964 
  • A palavra e o tempo, 1965 
  • O ano do nego, 1968 
  • Eu e eles, 1970 
  • Quarto minguante, 1975 
  • Antes que me esqueça, 1976 
  • Sem me rir, sem chorar, 1984 
  • A Maldição da Fábrica 

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Nota qualitativa 2 Bimestre -- INTRODUÇÃO TÉCNICA COMO CONSTRUIR UM MUNDO MELHOR (Aluno: Jorge Gomes Procópio Júnior).

         INTRODUÇÃO TÉCNICA 
COMO CONSTRUIR UM MUNDO MELHOR

          No mundo só melhora cada um fazendo sua parte,pois cada pessoa é como se fosse uma lampâda entre muitas, algumas acessas e muitas apagadas.Portanto a vida é assim, não somos capazes de mudar ninguém, mas quando agimos certo nosso exemplo ilumina e influência as pessoas a nossa volta. Alem disso o mundo precisa de pessoas que preserve sabendo utilizar o que se é necessário para cada vez mais conservar a vida humana.


Construção introdução técnica 
Frase-Tese:No mundo só melhora cada um fazendo sua parte

Explicação:cada pessoa é como se fosse uma lampada entre muitas, algumas acessas e muitas apagadas

Argumento 1A vida é assim, não somos capazes de mudar ninguém, mas quando agimos certo nosso exemplo ilumina e influência as pessoas a nossa volta

Argumento 2: O mundo precisa de pessoas que preserve sabendo utilizar o que se é necessário para cada vez mais conservar a vida humana.


sexta-feira, 15 de junho de 2012

(1º Postagem do 2º Bimestre de Biologia-Patrícia -Grupo 1ºano II manhã).Louis Pasteur.

Grupo: Larissa Alves,Jean Correia de Moura, Isabelle Campos de Melo, Natalia Maria, Rayssa Andrade, Higo Fernandes,Vitória Teixeira.    1ano II manhã.




                                          
                                                           Louis Pasteur:     



        Louis Pasteur, cientista francês que faz descobertas que tiveram um grande importância tanto na área de química quanto na de medicina.Foi ele quem criou a técnica conhecida hoje como pasteorização.




Nome: Louis Pasteur.

Nacionalidade: Francês.

Formação: Conclui os estudos no colégio real de besançon,tornou-se doutor em química e física pela escola Normal superior e lecionou nas universidades de Estrasburgo  e de Lille.

Realizações Científicas: Em 1848,ele fez uma descoberta sobre dimorfismo do ácido tartárico, enquanto observava no microscópio a surpreendente simétrica apresentada nos dois tipos de cristal do ácido racêmico. Com apenas 26 anos, Pasteur fez uma descoberta sobre o desvio no plano de polarização da luz.



Outros acontecimentos: Em 1865,Joseph Lister utilizou os conhecimentos de Pasteur como objetivo de eliminar os microrganismos   presentes em feridas e incisões cirurgicas.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

2º ANO - Grupo Agnubson Medeiros, Alan Bruno, Dernival Tavares, Diago Correa, Laura Raissa, Lucas Galvão e Matheus Assef - África do Sul

video

Teorema de Pitágoras - 1 ano I - Professora Janeide (Matemática)


 Grupo: André Gustavo, Daniel Tobias, Marcos Antônio, Matheus Marques, Vitor  Farias


Nesta demonstração repetimos os passos seguintes:

1º Passo:
Pitágoras considerou um triângulo rectângulo cujos os catetos medem b e c e cuja a hipotenusa mede a.
2º Passo:
Construiu em seguida um quadrado de lado igual à soma dos dois catetos do triângulo (b + c) e fez nele a repectiva decomposição.
Depois da verificação que o quadrilátero era um quadrado atendendo ao conhecimento das figuras planas tem-se:

 

(b + c)2 = a2 + 4 × (bc) ÷ 2
b2 + 2bc + c2 = a2 + 2bc
b2 + c2 = a2